quinta-feira, 23 de outubro de 2008

1964/Lennie Bossa e Balanço


Estávamos em uma reunião com um grupo de contatos de publicidade, na rua 24 de maio, sede da Midas Propaganda, do Rubem Medina, na época um jovem muito talentoso e promissor, quando meu amigo Berto Filho coxixou ao pé do ouvido, que tinha um assunto pra conversar depois da tal reunião. 
Horas depois estávamos sentados a mesa no Gigeto, que ficava em frente a TV Excelsior, aonde trabalhava Berto Filho, noticiarista apresentador daquela emissora. O assunto era o seguinte: seu colega de emissora, Solano Ribeiro, junto com Luiz Vergueiro,  estavam montando um show de Bossa Nova com um americano, que cantava no Beco das Garrafas no Rio, chamado Lennie Dale. Juntos no show, estariam Marisa (a gata mansa), o passista Gaguinho, quatro bailarinas (me recordo de Yoko Okada, Zuzima,Marilene Silva e Maria Helena Dassam), e o Sambalanço Trio, que era formado por Cesar Camargo Mariano, Clayber, e o baterista Ayrto Moreira. 
Era um pocket show muito bem montado e excelentemente dirigido por Lennie Dale, apesar de não receber os créditos por isso. 
No cartaz do show, que ficava na porta de entrada do Teatro de Arena, era anunciado "Lennie Bossa e Balanço", Produçao de Luiz Vergueiro, Direção de Solano Ribeiro , Coordenação Lafayette Hohagen e Haya Hohagen. Coordenação era um trabalho, que envolvia tudo relacionado ao show, desde acompanhar ensaios, ficar no pé do iluminador, na época um cara muito esquisito e neurastênico, chamado Orion, e cuidar de lanches do elenco, do afinador do piano, do horário que o zelador do teatro deveria abrir para ensaio etc. 
Lennie era um cara muito exigente e perfeccionista. Exelente bailarino, vinha de uma temporada na Broadway, onde fazia parte do elenco de West Side Story. Amava a Bossa Nova. Criou passos de dança de Bete Faria e ensinou muito a Elis Regina. 
Em um dos números do pocket show, Lennie e suas bailarinas faziam um número acompanhado pelo Sambalanço Trio, e a marcação do tempo, que o baterista(Ayrto Moreira) executava, regia a a coreografia e iluminação. Até aí tudo lindo maravilhoso, a não ser a incapacidade do Orion, que sabia apenas ligar e desligar chaves através de roteiros de textos, mas como trocar luz no tempo da música?Foi aí, que teve um baita xilique, jogou prancheta com o roteiro pro ar, mandou todo mundo a merda, chamou o gringo de doido varrido e ficou pelo menos 15 dias sem aparecer no teatro. 
Nesse momento, Haya, meu irmão gêmeo, e eu, assistíamos ao ensaio como sempre, e nos deliciávamos com o piano do Cesar e eu, confesso um olho no Cesar e outro em Zuzima, uma das bailarinas, morena muito sensual, que dançava com Lennie a "Garota de Ipanema". Mas tudo foi interrompido com o surto do Orion. Lennie olhou pro Cesar como que perguntando "e agora?" Cesar, como num jogo de basquete, quando os jogadores fazem aquela triangulação de passes, olhou em minha direção e do Haya, e fez um sinal com a cabeça, como se nos empurrasse direto para a cabine de luz. Ele sabia que nós tínhamos estudos de música, e que sabíamos perfeitamente o que Lennie queria. No fim do ensaio fomos efusivamente cumprimentados e sem consulta, guindados ao cargo de iluminadores oficiais do show. 
O ensaio geral, que precede sempre as estreias, seria no dia seguinte. Foram 18 horas de ensaios. Mas no dia da estréia, no cartaz na porta do Teatro de Arena estava escrito. Lennie Bossa e Balanço - Produção Luiz Vergueiro -Direção Solano Ribeiro -Coordenação e Iluminação Lafayette Hohagen e Haya Hohagen. A partir daquele show iluminamos muitos mais.

Na foto acima Lennie Dale

4 comentários:

fe_hohagen disse...

Parabéns, quando irão sair as próximas histórias? beijos.

Rose Borba disse...

Graaande Lafa!!!Ficamos super felizes com sua iniciativa de registrar e manter viva a história da nossa música, à qual você com muito orgulho pode participar.
bjs

borba disse...

Na verdade, acho que o titulo esta errado, deveria ser " Iluminados Hohagens".
Vamos nessa. A coisa esta esquentando!!!!! Manda Bala!

victor disse...

Trabalhamos com muitos artistas mas,nenhum com a idéia fixa da perfeição como o Leny Dale.Aprendemos com ele que tudo é possivel,aliás começamos aprendendo isso em casa com o "papito".