segunda-feira, 13 de julho de 2009

1979/Cálice

Era 23 de outubro de 1979. A rua Henrique Schaumann na época se transformava num pólo de bares e restaurantes. Alguns vindos da Av. Ibirapuera, em Moema, que começava a se esvaziar, as casas de samba, que ali tinham o seu reduto, estavam em baixa. Também havia quem apostasse naquela nova região, que acabou por se transformar em um “ point “ de sucesso da noite paulistana.

Por essa ocasião um de nossos clientes de assessoria de imprensa, era uma famosa casa de massas de Pinheiros, a “ Pastíssima”, que ficava na Rua Antonio Bicudo e era comandada por Reynaldo Gassib. Por ele fomos apresentados a Ítalo Crivelli, com quem tivemos e temos ainda uma boa amizade. Reynaldo iniciava um projeto com mais alguns sócios para abrir uma choperia na Henrique Schaumann, esquina com a Rua Arthur de Azevedo. Já tinham o ponto, o desenho da casa e haviam feito uma parceria com a Antarctica com o principal objetivo de oferecer o melhor chopp de São Paulo a seus clientes. Queriam algo que lembrasse ou até superasse o famoso chopp do “Pingüim de Ribeirão Preto”. Muitos metros de serpentina de cobre foram gastos, e 12 funcionários foram treinados na própria companhia para que o chopp fosse tirado com maestria e todos os cuidados, pois, também 2 supervisores da Antarctica fariam plantão permanente na casa para que tudo saísse a contento.

Nossa missão era de passar essas informações para a imprensa e futuros freqüentadores daquele, que se pretendia um espaço diferenciado.

E foi. Começou com o nome da casa. Cálice. Na época, a censura ainda estava ativa e os compositores se desdobravam para ludibria-la. Os censores, em sua maioria pessoas com baixo nível intelectual, eram enganados com freqüência. A música Cálice de Chico Buarque e Milton Nascimento estava censurada.

A peça teatral “Opera do Malandro” ensaiava para estrear no Teatro São Pedro e estava a caça de patrocinadores, quando soube que um bar com o nome de “Cálice” ia ser inaugurado. Seus produtores procuraram Reynaldo atrás de patrocínio já que o nome de Chico estava ligado a ambos os projetos. Reynaldo topou e ainda conseguiu a parceria da fábrica de moveis Artefacto. Teve dos produtores a promessa que Chico estaria na inauguração da casa.

Passamos a noticia para a imprensa, jornais, rádios TVs e na noite de 23 de outubro a Rua Henrique Schaumann literalmente travou. Segundo a edição do Jornal da Tarde do dia 24/10/79 mais de 5 mil pessoas se aglomeraram para conhecer a casa e, evidentemente, ver de perto Chico Buarque.

Nós mesmos tivemos dificuldades para desenvolver nosso trabalho no dia da inauguração. Tínhamos que receber jornalistas e personalidades do meio artístico, entre eles o próprio Chico.

Não conseguimos cumprir nossa parte totalmente. No meio daquele verdadeiro turbilhão de pessoas, não pudemos recepcionar o tão esperado convidado. Se ele chegou ao Cálice, ainda hoje é um grande mistério, em que pese muitas pessoas afirmarem que sim, ele teria dado uma passada saíra rapidinho, fugindo daquele burburinho.

Por outro lado, o amigo Ítalo Criveli, que por coincidência era muito parecido com nosso compositor, foi muito festejado!

5 comentários:

Raphael Neves disse...

Pô, Lafa, a descrição da serpentina de cobre me deixou louco pra tomar um chope!

Mas até hoje o Chico causa um furor impressionante, não é mesmo? Na última Flip, vi na internet mulheres de todas as idades loucas pelo cara. Eu tenho uma tese de botequim segundo a qual nós homens somos todos cornos enquanto esse cara ainda viver...

Viu o artigo que o boçal do Mainardi escreveu sobre ele? http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos.asp?cod=546CIR003

Abraços,
Rapha

Lafayette Hohagen disse...

Primeiro meu caro Raphael eu tenho essa preocupação com o tal do Chico. O cara fica velho,mas a mulherada continua de olho nele.Eu vi a loucura que foi na FLIP.O chopp do Cálice realmente era diferenciado,barris de madeira e aquela espuma cremosa hummm,agora o boçal do Mainardi vc vai me desculpar mas eu me nego a ler.Grande abraço do Lafa.

Raphael Neves disse...

Lafa,

Você foi meu indicado para o "Blog de Ouro". Siga o link: http://politikaetc.blogspot.com/2009/07/premio-blog-de-ouro.html

Agora, não me peça pra mandar nem um grama do precioso metal porque a coisa é simbólica.

Abraços,
Rapha

Além da verdade disse...

Olá, esse bar calice, onde ficava, é na esquina da henrique shaumman com artur de azevedo, casa branca e vermelha que hoje parece estar fechada?

rafaeghlacaran@hotmail.com

Além da verdade disse...

Este bar calice citado em sua postagem ficava na esquina da henrique shaumman com artur de azevedo em uma casa que hoje está fechada ( branca e vermelha)? na numeração impar

rafaelacaran@hotmail.com