segunda-feira, 29 de junho de 2009

1969/Carta de Tenório Jr.

Certo dia cruzei nos corredores da Tupi com um personagem gorducho bastante

simpático, carioca, misto de ator e cantor, bem falante, cheio de idéias. Queria que eu

produzisse um show para ele e gostaria de ser acompanhado de músicos de nível. Era exigente o gordinho Ângelo Antonio. Chegou a fazer pontas em novelas e participou de alguns programas de TV, como o “Almoço com as Estrelas” entre outros.

Sugeriu uma choperia na Av Santo Amaro de nome Urso Branco, cujo dono era seu amigo. As choperias estavam na moda. Feito o contato e aprovada a idéia, partimos para a montagem do show e escolha do elenco. Tínhamos alguns nomes como Raulzinho do Trombone, Edson Machado, o pianista Tenório Jr.e outros. Todos os músicos radicados no Rio de Janeiro, cidade do Ângelo Antonio.

Esse era um complicador, pois teríamos que hospedá-los durante a temporada e até antes, durante os ensaios. Optamos por trazer primeiro Tenório, que seria o diretor musical do show e ofereci-me para hospedá-lo em minha casa.

Eu estava casado há dois anos e com um filho, Alexandre de 1 ano. Tenório também era recém casado com Carmem e tinha uma filha, Elisa, recém nascida.

Recebemos Tenório e família com aquela disposição própria da idade. Curtimos muito aquele momento. Pena não termos um piano em casa. Teria curtido muito mais a presença daquele extraordinário pianista.

Ensaiávamos no Urso Branco, aquele show que nunca aconteceu.

Um dia, fomos surpreendidos com a notícia de que não haveria mais show. O dono do Urso Branco havia vendido o imóvel e nos deixado na mão. Ângelo não se conformava.

Tivemos que desfazer todos os projetos, e nunca mais nos encontramos. Anos mais tarde, fiquei sabendo da morte de Ângelo Antonio e depois do “sumiço”de Tenório .

Recebi uma carta de Tenório datada de 14 de janeiro de 1969 que guardo até hoje e que transcrevo a seguir:

Rio de Janeiro, 14 de janeiro de 1969.

Olá Lafayette. Desejamos que você e todos aí estejam em paz e com saúde.

Por aqui, tudo em ordem. Elisa engatinhando sem parar pela casa toda e chamando papai e mamãe, além de derrubar tudo que estiver a seu alcance.

Estou trabalhando com a Fernanda Montenegro em “Marta Sare”,peça musical de Gianfrancesco Guarnieri e do Edu Lobo, aqui no Teatro João Caetano.

A direção musical é de Carlos Castilho e eu estou atacando de órgão.

A companhia deve se apresentar aqui até o carnaval e depois vai para SP., onde ficará em cartaz alguns meses; aproveitaremos isto para providenciar nosso retorno a SP, pois temos sentido saudades daí. O Rio é muito bonito, mas não está acontecendo nada por aqui, a não ser 40 graus de temperatura diariamente, em compensação, o povo está cada vez mais mal educado, além disso, a vida está cara e quase não há trabalho para músicos ,em suma,a Cidade Maravilhosa está mesmo uma gracinha...

Por isso, estou até entusiasmado com a volta a SP. Principalmente porque terei mais calma para procurar trabalho em outros setores, devido a este fixo do teatro (vai ser no São Pedro). Quero ver se consigo me entrosar nas gravações aí; andei fazendo algumas gravações com a chamada “turma da pilantragem”, tão em voga (por ai também?) e até me encomendaram alguns arranjos, embora seja destituído de qualquer valor artístico, está tendo êxito comercial, o que é bastante para que os produtores inundem a praça com isso... Aqui não se faz outra coisa...

Bem, vou ficar por aqui, espero receber notícias de vocês, de qualquer modo, vamos nos encontrar em breve. Até lá, desejamos tudo de bom para você, Olga e Alexandre.Carmen manda lembranças para todos.

Até já e um grande abraço do Tenório.

O nosso endereço aqui é o do meu sogro: Av. Mal. Floriano 38 apto. 1010-centro R.J.GB.

Em 27 de maio de 1976, Tenório Jr desapareceu na Argentina, quando fazia uma temporada com Toquinho e Vinicius de Morais.

2 comentários:

Juan Trasmonte disse...

Notável o texto, Lafa e muito legal você publicar essa carta de tom pessoal, mas que à luz (ou melhor seria à sombra) dos fatos adquiriu um valor histórico enorme. Talvez eu poderia linkar este post na minha crônica sobre o sumiço do Tenório aqui em Buenos Aires.
Grande abraço

Lafayette Hohagen disse...

Obrigado Juan,acho que seria muito bom você linkar este post sim a sua bela crônica,aliás como todas que faz. Abraços do Lafa